Hospital Paulistano

Certificados

Acreditação Internacional

O Hospital Paulistano entrou para o seleto grupo de hospitais que possuem o selo de acreditação internacional pela Joint Commission International (JCI), o mais importante órgão certificador do mundo. A certificação pela JCI vem assegurar a melhoria contínua dos novos processos de cuidado ao paciente.
A Joint Commission International é a líder mundial em qualidade dos cuidados de saúde e segurança dos pacientes e tem trabalhado com instituições de saúde, ministérios da saúde e organizações globais em mais de 80 países, desde 1994.

Segurança no cuidado ao paciente

O processo de acreditação internacional disseminou a cultura de segurança e qualidade contínua nos cuidados destinados ao paciente. A gestão da qualidade engloba processos assistenciais e administrativos.

Como somos avaliados?

O Hospital Paulistano foi avaliado com base em uma série de critérios que envolvem os processos de cuidado ao paciente. Entre eles:

  • Metas Internacionais de Segurança do Paciente;
  • Acesso ao Cuidado e Continuidade do Cuidado;
  • Direitos dos Pacientes e Familiares;
  • Avaliação dos Pacientes;
  • Cuidados aos pacientes;
  • Anestesia e Cuidados Cirúrgicos;
  • Gerenciamento e Uso de Medicamentos;
  • Educaçãodo Paciente e Familiares;
  • Melhoria da Qualidade e Segurança do Paciente;
  • Prevenção e Controle de Infecções;
  • Governança, Liderança e Direção;
  • Gerenciamento e Segurança das Instalações;
  • Educação e Qualificação dos Profissionais;
  • Gerenciamento da Informação

Benefícios aos clientes

  • O processo de acreditação incentiva a instituição a aprimorar continuamente os seus colaboradores por meio de cursos e treinamentos. Profissionais mais qualificados garantem melhor atendimento;
  • O modelo de gestão pela qualidade estimula o Hospital Paulistano a buscar a melhoria contínua dos seus processos e serviços;
  • O hospital oferece aos pacientes e aos seus familiares um atendimento uniforme, eficiente e que visa minimizar a ocorrência de falhas por meio de protocolos, políticas e procedimentos;
  • O hospital possui canais abertos e de confiança com seu público, com a comunidade e com seus colaboradores, independentemente de seus valores culturais, sociais e religiosos.

Canal de comunicação com a JCI

Queixas e situações referentes à qualidade e segurança do paciente podem ser comunicadas à Joint Commission International (órgão certificador de qualidade). Para entrar em contato com a JCI, inclua o seguinte:

  • Uma a duas páginas resumindo os problemas (em inglês, se possível);
  • Nome, endereço, cidade e país da instituição de saúde;
  • Nome e informações de contato da pessoa que está enviando a queixa (opcional).

Queixas que contenham informações para contato permitirão à JCI fazer um acompanhamento com o remetente, caso algum esclarecimento adicional for necessário ou para solicitar informações adicionais necessárias.

O nome e informações para contato da(s) pessoa(s) que enviar(em) a queixa serão mantidos em sigilo e não serão revelados a qualquer uma das partes sem a permissão expressa do remetente, a menos que seja exigido por lei. Entretanto, pode ser necessário compartilhar a queixa com a instituição citada no curso da análise da JCI.

A JCI analisará e avaliará todas as queixas, conforme apropriado, com base nas informações que receber. A JCI exige que as instituições acreditadas certifiquem-se de que não haja ações de retaliação contra indivíduos que enviarem queixas à JCI.

As queixas poderão ser enviadas pelos canais:

E-mail: jciquality@jcrinc.com

Correio

Quality and Safety Monitoring
Joint Commission International Accreditation
1515 West 22nd Street, Suite 1300W
Oak Brook, IL 60523 EUA

Programa de Cuidados Clínicos – Cuidados Paliativos

O Hospital Paulistano obteve certificado de distinção no Programa de Cuidados Clínicos em Cuidados Paliativos pela Joint Commission International (JCI). Esse certificado atesta a preocupação no atendimento integral a pacientes e familiares.

“Cuidado Paliativo é uma abordagem que melhora a qualidade de vida de pacientes e seus familiares diante de problemas associados com doenças ameaçadoras da vida, por meio da prevenção e alívio do sofrimento. Requer identificação precoce, avaliação impecável e tratamento de dor e outros problemas de ordem física, psicossocial e espiritual”. (Organização Mundial da Saúde -OMS)

Objetivo

O Programa de Cuidados Paliativos tem por objetivo oferecer cuidado de alta qualidade aos pacientes portadores de doenças complexas ou condições que ameaçam a continuidade da vida e aos seus familiares, em um ambiente humanizado, por meio de uma equipe multiprofissional integrada e experiente, focando a melhoria da qualidade de vida, através do controle adequado dos sintomas e outros problemas de natureza biopsicossocial e espiritual.

Objetivos Específicos

  • Utilizar protocolos clínicos embasados nas melhores evidências;
  • Capacitar profissionais;
  • Avaliar, gerenciar e mensurar processos e resultados, com a finalidade de promover melhorias contínuas;
  • Aprimorar a comunicação entre paciente, familiares e os profissionais de saúde, bem como um programa de educação, facilitando a autogestão das condições clínicas por parte do paciente e seus cuidadores;
  • Estabelecer protocolo gerenciado para definir a prática do cuidado paliativo e garantir a sua aplicação dentro da melhor evidência científica disponível;
  • Proporcionar conforto e dignidade, em todas as dimensões do sofrimento humano, ao indivíduo portador de doença/condição crônica progressiva ou debilitante, com sintomas estressantes ou em fase final de vida.

Princípios

  • Prover alívio de dor e outros sintomas estressantes;
  • Afirmar a vida e ver a morte como um processo natural;
  • Não antecipar e nem adiar a morte;
  • Integrar aspectos psicológicos e espirituais do cuidado;
  • Oferecer apoio para ajudar o paciente a viver tão ativamente quanto possível até a morte;
  • Oferecer apoio para ajudar a família a lidar com a doença do paciente e o luto;
  • Dispor de uma equipe interdisciplinar para atender as necessidades do paciente e seus familiares, inclusive orientação no luto, se indicado;
  • Melhorar a qualidade de vida e poder influenciar positivamente o curso da doença;
  • Ser aplicável nos estágios iniciais da doença, em conjunto com outros tratamentos que tem o objetivo de prolongar a vida, como quimioterapia ou radioterapia, e incluir investigações necessárias para o melhor entendimento e manejo de complicações clínicas estressantes.

(OMS, 2008)

Estratégia do Programa

  • Identificação de pacientes;
  • Tratamento;
  • Acompanhamento;
  • Gerenciamento;
  • Educação de pacientes e familiares;
  • Continuidade de cuidado.

Modalidades de Atendimento

  • Hospitalar;
  • Ambulatorial;

Equipe Multidisciplinar

  • Médicos;
  • Enfermeiros;
  • Psicólogos;
  • Assistente social;
  • Assistente espiritual.

 

    VEJA TAMBÉM